skip to Main Content

Jornal Arte & Musica

APRENDIZADO E TEMPO NECESSÁRIO EM AULA

O processo de aprendizagem musical é complexo e require uma determinada quantidade de tempo para a obtenção dos resultados desejados pelo aluno, tanto a longo prazo, quanto em cada sessão separadamente. Em uma sala de aula, o professional normalmente segue uma série de etapas necessárias para que o aprendizado aconteça de maneira adequada, as quais vão de acordo com uma certa lógica. Por exemplo, o professor poderia optar por iniciar com um aquecimento e uma avaliação do que foi ensinado até o momento, em seguida partindo para as explicações teóricas e a prática do instrumento em si, e finalizando com correções e recomendações para os estudos realizados fora do momento da aula.

Desta forma, cada etapa torna-se fundamental para o aprendizado, exigindo um tempo mínimo de duração. A redução da carga horária de aula acarretaria na exclusão de algumas dessas etapas, ou ao menos, faria com que o professor não tivesse tempo suficiente para dar a atenção apropriada a cada uma delas. Afinal, quão estimulado um aluno ficaria sem um tempo básico para correção, avaliação e prática de seus estudos, sendo apenas bombardeado com informações uma semana após a outra? Assim sendo, aulas de cinquenta minutos ou uma hora de duração permitem que todas as etapas do ensino sejam concretizadas, além de ambientarem o aluno com o momento de aprendizagem, fazendo com que a aula flua com maior qualidade.

Érico de la Cruz Guerra

A ESCALA DE PITAGORAS

A primeira escala  da que temos referencia  chama-se “Escala Pitagórica” , denominada de acordo com seu criador, Pitágoras ( VI a C) que a construiu  através de um monocordio – instrumento dotado de apenas uma corda. Tal corda foi dividida por Pitágoras em 12 sessões iguais. Desta maneira, ao tocar a sexta marca (1/2 da corda), o filósofo  observou que a sonoridade produzida correspondia á uma oitava ,  a nona marca (¾ da corda)  correspondia a uma quarta e a oitava marca ( 2/3  da corda) a uma quinta. Consequentemente surgiram os primeiros intervalos, ou seja o espaço que há entre uma nota e outra.

Esta descoberta foi a responsável pela união da música à matemática, sendo a música considerada por Pitágoras como o quarto ramo da matemática.

Após muitos estudos realizados e regras estipuladas para a música, surgiram muitas escalas, sendo a mais básica  a escala de C (dó maior), como apresentada á seguir:

Dó- Re- Mi- Fa- Sol- La- Si- Dó   ou   C – D – E – F – G – A – B – C

Então…quais seriam dentro desta escala os intervalos descobertos por Pitágoras?

Considerando que o  primeiro Dó (C) representa a tônica, ou seja a nota que da o tom à escala.

O intervalo de oitava refere-se ao espaço que existe entre o primeiro C e o segundo

O de quarta mede o espaço entre a tônica  e a quarta nota

O de quinta , o espaço entre a Tônica e a quinta nota

Assim, os intervalos descobertos por Pitágoras seriam:

A oitava: C (segundo Dó)

A quarta: F

A quinta: G

De onde surgem as nomenclaturas das notas? Exemplo Dó ou C , Ré ou D, etc.  Bom… isso já é outra história a ser contada.

Virginia de la Cruz

SINESTESIA:  ouvir cores, ver sons

Você sabia que música e cores estão relacionadas?

Newton observou que quando um feixe de luz solar incide num prisma de vidro triangular com um ângulo, uma parte da luz se reflete e outra atravessa o vidro apresentando diferentes cores.

Ele associou estas 7 cores às 7 notas musicais se baseando nas observações dos sofistas da antiga Grécia que acreditavam que existia uma conexão entre som, cor, dias da semana e astros.

Mais tarde Eulalio Ferrer as associa de forma matemática utilizando a escala cromática de tons e semitons.

Outros estudos realizados consideram que há uma correspondência física entre as dimensões físicas da cor (tom, luminosidade e saturação) com as dimensões físicas do som (altura, volume e timbre).

No corpo humano é a Glândula Pineal a encarregada de absorver a luz e converti-la em som e vice-versa (além de outras funções). É aqui que surge o poder curativo da música e sua relação com a cor, duas vibrações capazes de invocar sentimentos e emoções no ser humano.

Com que cores você relaciona sua música preferida?

Virginia de la Cruz

Este Post possui 0 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *